Baleia azul e a depressão

Continua em pauta, o famigerado ‘brinquedo assassino’, jogo da Baleia Azul. Essa praga surgida supostamente na Rússia, atrai jovens para disputas online, em rede, nas quais são desafiados pelos chamados curadores (pessoas anônimas que aliciam os jogadores pela internet), para cumprirem etapas do jogo, que os levam a mutilarem o próprio corpo e até cometerem suicídios.

Isso é uma situação que continua causando preocupação no mundo inteiro. Hoje, o ser humano está cada vez mais interligado a partir do mundo virtual, abrindo mão, muitas das vezes, do contato entre pessoas, pelo relacionamento através da máquina.

A internet chegou. É um fenômeno irreversível e importantíssimo. Porém, é inteligente saber fazer bom uso dela. Há de se ter alguns cuidados com o que se faz e como se faz, em rede digital.

E essa preocupação se torna ainda maior, quando esse público é formado por crianças e adolescentes. A repercussão das últimas tragédias, possibilitou que psicólogos e outros especialistas, cobrem com veemência, mais atenção dos pais, para um diálogo mais amigável com os filhos.

Especialmente os menores de idade. Para conhecer melhor suas necessidades, aflições, angustias, e principalmente, monitorar à medida do possível, o que fazem e ou buscam nas  redes sociais, muitas das vezes, isolados em seus quartos.

Os psicólogos chamam a atenção dos familiares e amigos, para observarem mais de perto algumas mudanças no comportamento dessa galerinha. Como por exemplo, uso de roupas longas fora de hora (podem está escondendo alguma mutilação no corpo), reações nervosas, ou calados demais (podem está sofrendo algum tipo de pressão), etc.

A outra questão que também pode está ligado a isso é a depressão. Nesse caso, deve-se procurar a orientação médica. Esse é um dilema ao qual poucas pessoas dão a devida atenção. Porém, é uma doença que pode levar o individuo ao suicídio.

No último dia 19, a polícia do Rio de Janeiro prendeu um rapaz, suspeito de ser um aliciador de jovens nas redes sociais para praticarem desse jogo. Confira o vídeo…

 

Recentemente, até o yutuber Felipe Neto, conhecido por suas postagens engraçadas (ele que tem milhões de inscritos em seu canal), fez um vídeo sério e muito interessante, diga-se de passagem (Clique aqui no link), onde aborda, além desse jogo em si, também a questão da depressão, da qual diz ter sido vítima e é um problema que afeta milhões de pessoas, incluindo os jovens.

 

Fora do jogo perigoso

Numa dessas manhãs de domingo, num ‘rolê’ pela Avenida Paulista ( fechada para os carros e liberada para as pessoas passearem à pé ou de bike) e desfrutarem de sua beleza, além de curtirem várias atrações artísticas que se apresentam gratuitamente.  Uma dessas atrações era o grupo Embatucadores (www.embatucadores.com.br), criado em 2003, num bairro da Zona Norte da cidade.

Formado por jovens carentes da periferia, porém, uma galera que busca na música, a melhor maneira de canalizar suas energias, usando o talento e a criatividade para inventar instrumentos e descolar um som bacana, capaz de atrair a atenção do público.

Buscam na arte, um meio de interação com o mundo exterior, ao invés de ocuparem seu tempo apenas na tela de um computador ou smartphone.

Grupos talentosos como esses, existem muitos espalhados pelo Brasil. Só que, infelizmente, esbarram na falta de apoio e recursos. Mas apesar disso, continuam mostrando que na verdade, tudo de que precisam, é de oportunidades para ocuparem suas mentes, com algo bom e promissor, que os livrem das armadilhas da vida.

Outra prova disso, é a turma da Banda Alana (veja página no facebook). Seu lema é “Acesso à cultura e educação, pode transformar o futuro das pessoas“. Também numa ideia de ocupar a mente dessa galera com atitudes fora do universo virtual, desenvolve oficinas e projetos culturais como esse, que na tarde do último dia 15 foi apresentado embaixo da Marquise do Parque do Ibirapuera.

Bom seria se empresas e os próprios órgãos públicos, apoiassem ideias como essas. Projetos que são capazes de descobrirem e lançarem jovens talentos. Formar cidadãos e os livrarem de caminhos perigosos.

 

 

Créditos das fotos: Internet

Deixe Seu Comentário (digite abaixo)

%d blogueiros gostam disto: