‘Começamos do nada, ele tinha 4 empregos para me manter correndo…’

A frase do título, é um recorte do que disse Lewis Hamilton, num momento de emoção, reconhecendo (em suas redes sociais) o esforço do pai para que ele se tornasse um piloto vencedor.

Antes de seguir, quero pontuar aqui, que esse post não tem a pretensão de discorrer na íntegra, sobre a incrível trajetória (seus números falam por si) desse fenômeno e mito das pistas. Mas sim, mostrar, numa narrativa compilada de alguns veículos informativos, o quanto é importante manter-se persistente, quando se tem um sonho e acredita nele. Mesmo que esse objetivo pareça improvável.

Muitos dos que hoje veem esse britânico de 35 anos de idade, voando nas pistas, conquistando títulos atrás de títulos, talvez não imaginam como foi o começo de sua carreira. Segundo ele, praticamente não tinha grana. Sofreu preconceitos e xingamentos por ser um negro sonhando alto para seus padrões.

O filho do sr Anthony (Hamilton), ele próprio cuidou de descrever essa dificuldade do início da carreira. “Nunca esquecerei este momento. Começamos do nada, ele tinha 4 empregos para me manter correndo ao mesmo tempo e eu dormia no sofá. Sonhamos em fazer algo tão fora de alcance, nos tornarmos um piloto de F1. Para uma família sem dinheiro, podemos ter parecido loucos. As pessoas riam de nós, nos xingavam, brincavam sobre nós, mas mantivemos nossas cabeças baixas. Fizemos nossa luta com ações no caminho certo“.

Meio que em tom de desabafo, o piloto da Mercedes disse que gostaria de saber o que pensam hoje, aqueles que, por inveja ou discriminação, o xingavam e ‘tiravam sarro’ quando ele era apenas um garoto sonhador. “Aqueles que nos julgavam naquela época, eu me pergunto se eles nos olham com ódio e raiva que provamos que eles estavam errados ou talvez eles tenham crescido e pensado “bom para eles”. Gosto de pensar o último“.

E para as pessoas que também sonham e enfrentam dificuldades, ele manda um recado: “se você está por aí se perguntando, duvidando de si mesmo, não faça isso!!! Não desista, continue pressionando, continue sonhando e transmitindo esse sonho à existência. Você pode fazer qualquer coisa que colocar na mente“, motiva o piloto.

.

Os números do super-campeão

.

Ao longo da carreira na Fórmula 1, que começou em 2006, Lewis Hamilton só teve duas equipes McLaren (2006/2012) e Mercedes (atual). Seu título na categoria foi aos 23 anos (2008 – McLaren). Na sequência, mais 6 (2014 – 2015 – 2017 – 2018 – 2019 – 2020). Ao tornar-se campeão pela vez, igualou-se a Michael Schumacher (que já encerrou a carreira após sofrer grave acidente em pista de esqui, na França em 2013). Porém, já o superou em número de vitórias. O alemão tem 91, contra 95.

Além dessa invejável galeria de títulos, o heptacampeão também coleciona outros números impressionantes, superando de longe, muitos outros pilos da. Participou de 267 Grandes Prêmios. Conquistou 95 vitórias. Teve 98 pole positions (largadas na frente no grid). E fez 53 voltas mais rápidas que os adversários. E, o garoto que quase não tinha condições financeira para iniciar a carreira no automobilismo, hoje é o maior salário da F1. Estimado em mais 40 milhões de Euros por temporada. E já pediu aumento para renovar com a atual equipe.

Assim como aqui em Interlagos, em que parte da pista homenageia o maior piloto brasileiro, Airton Senna, lá na Inglaterra acontecerá o mesmo com Hamilton. A reta principal do circuito de Silverstone, passará a se chamar Hamilton Straight. E também, há anúncio na mídia local, de que o piloto poderá receber o título de Cavaleiro do Império Britânico. A honraria já foi sinalizada pelo primeiro ministro Boris Johnson, publicou ontem (12) o portal GE.

.

A relação com o pai

.

Embora tenha reconhecido a importância do sr Anthony para torná-lo o profissional vitorioso que é hoje, Hamilton também não escondeu a turbulência pela qual passou a relação dos dois durante um bom período. Vale lembrar, que o pai chegou a empresariar sua carreira por um tempo, até brigarem.

Nossa jornada não foi fácil, nós enfrentamos muitos obstáculos como indivíduos, mas também como família. Meu pai e eu não tivemos um relacionamento muito fácil. Ele trabalhou muito para criar uma oportunidade para nós como uma família e por causa dele estou onde estou hoje. Na busca pelo sucesso, com toda a pressão que isso exerceu sobre todos nós, estávamos tão imersos no desejo de sucesso que perdemos de vista o que era mais importante, o nosso relacionamento. Com o tempo, perdemos aquele vínculo pai-filho e isso é algo que ambos queríamos de volta há muito tempo…” diz o trecho de um longo post em seu instagram no início do ano, após a reconciliação entre ambos.

.

Reflexões do campeão

.

No último dia 15 de novembro, após a conquista do 7º troféu de campeão, ele fez algumas reflexões, comentários falou sobre racismo e também mandou mensagens de incentivos em seu Instagram. Confia algumas pílulas: “Antes de hoje e mesmo depois de cruzar a linha, venho reunindo meus pensamentos sobre o que é mais importante para mim […] Com a pandemia e, obviamente, a temporada sendo adiada por vários meses, eu tive o maior tempo de inatividade que já tive na minha vida. Isso me deu a chance de realmente pensar sobre meu propósito final. Sete campeonatos mundiais significam muito para mim, não consigo nem descrever o quanto, mas ainda há outra corrida que ainda não vencemos […] Igualar o recorde de Michael Schumacher coloca em mim um holofote que eu sei que não estará aqui para sempre. Por isso, enquanto você está aqui, prestando atenção, gostaria de pedir a todos que façam sua parte para ajudar a criar um mundo mais igualitário. Vamos ser mais receptivos e gentis uns com os outros. Vamos fazer com que a oportunidade não dependa da cor de fundo ou da pele […] Nada é impossível. A força motriz para mim este ano tem sido dar o exemplo para a próxima geração, de nunca desistir de seus sonhos. Muitos me disseram que meu sonho era impossível, mas aqui estou. Quero que saiba que você também pode fazer isso. Nunca desista, continue lutando, e vamos continuar aproveitando a ocasião“.

.

O garoto prodígio

.

Desde de muito cedo, o filho do sr Anthony e d. Carmen Larbalestier (separados desde que ele tinha 2 anos de idade), já demonstrava sede de vitória no universo do automobilismo. Numa postagem recente em seu insta, ele compartilhou o seguinte com seus fãs e seguidores: “Eu tinha 6 anos aqui quando ganhei meus dois primeiros troféus de corrida de carros de controle remoto. O pequeno troféu foi o 2º colocado no campeonato da classe elétrica, contra os marmanjos. O maior era para o melhor novato nos maiores carros a gasolina novamente contra os homens“.

Assim como muitos garotos do mundo do esporte, Hamilton enfrentou dificuldades. Morou com a mãe em apartamento pequeno e alugado. Aos 12 anos, foi morar com o pai e a madrasta e dormia num sofá. Pegava ônibus para ir para suas atividades do dia a dia. E contou com ajudas de nomes como, os empresários John Button e Ron Dennis, no início da carreira.

.

Gritos de emoção e agradecimentos (7x campeão)

.

7X Campeão Mundial de Fórmula 1. Uau. Para todos que me apoiaram ao longo do caminho, isso é para vocês. Para minha incrível família, por onde devo começar…”? Confira no vídeo os gritos de agradecimentos e emoção do campeão.

*Crédito das Imagens: @lewishamilton

Deixe Seu Comentário (digite abaixo)

%d blogueiros gostam disto: