Conheça a EJA em Cruz das Almas: mais de 600 alunos matriculados e ainda há vagas

Cruz das Almas, no Recôncavo da Bahia, conta hoje com uma média de 640 alunos matriculados na modalidade EJA (Educação de Jovens e Adultos). O município é responsável pelos estudantes do fundamental, com duração mínima de quatro anos. Enquanto o estado, responde pelos alunos do ensino médio, com a conclusão na metade desse tempo.

Este quantitativo de alunos é formado por adolescentes (15 a 17 anos), jovens (18 a 29 anos), adultos (30 a 59 anos) e idosos (a partir de 60 anos) que visam iniciar ou dar seguimento aos estudos da Educação Básica“, informou a coordenadora do supletivo no município Daiane Rocha Passos Dias Rodrigues, em entrevista ao Blog do JC, pelo whatsapp.

Mas, o número acima ainda pode aumentar, à medida que pessoas interessadas (com idade mínima de 15 anos), busquem uma escola participante do projeto, para se matricular. “Hoje, há um número razoável de matriculados e nos felicita porque mostra que as pessoas estão vendo a necessidade de continuar seus estudos. Contudo, ainda é um número baixo e preocupante, porque é notório o número expressivo de pessoas que interromperam seus estudos e não puderam ou quiseram retornar para a escola“, observa a coordenadora.

Segundo ela, atualmente o município oferece o curso nos turnos diurno e noturno, em 12 unidades de ensino das zonas rural e urbana. Até o momento, foram contemplados os povoados de Piabas, Touquinha, Pumba e Sapucaia (no campo) e os bairros Suzana, Inocope, Itapicuru, Centro (na cidade), além de outras localidades próximas.

Ainda de acordo com Rodrigues, em março foi realizada a chamada Busca Ativa Escolar, na Praça Municipal Senador Temístocles, para detectar pessoas interessadas em retomar os estudos. “Ali conversamos com algumas pessoas que não deram continuidade aos estudos e outras que relataram conhecer alguém que teve sua vida escolar interrompida por motivos diversos. A Secretaria segue com o Projeto de Busca a Ativa a fim de levar essas pessoas para a escola“.

Por ser um gênero acelerado, o ensino é organizado de forma semestral. Ou seja, cada semestre, correspondente a um ano do ensino fundamental. “Desse modo, o estudante pode concluir os anos iniciais e finais do ensino fundamental, em quatro anos“, sinaliza ela.

.

EJA na pandemia

.

A exemplo das outras modalidades de ensino, nesse período de pandemia, a EJA também está acontecendo de forma remota. Daiane Rodrigues afirma que além disso, as aulas são disponibilizadas, no ambiente virtual (AVA), nos formatos síncronas e assíncronas, com vídeos e blocos de atividades. Também, ela destacou que, mesmo aqueles alunos que não tenham acesso à internet, não ficarão sem estudar.

A coordenadora citou alguns dos pontos considerados positivos nesse modelo de ensino, “entre eles estão a flexibilidade de horário, já que o aluno pode realizar as tarefas no horário mais cômodo e a possibilidade de estudar no conforto de suas casas“, disse ela.

Por outro lado, Rodrigues aponta que o cenário da pandemia, também proporciona algumas dificuldades para os alunos. “Da mesma forma não há como negar que há pontos negativos também. Como a desmotivação de alguns estudantes em meio ao cenário pandêmico, dificuldades em organizar um tempo para o estudo em casa diante das demais atribuições no seio profissional e familiar.

Mas ela garante que a Secretaria Municipal de Educação, vem trabalhando para garantir aos profissionais envolvidos, as condições necessárias para atender as demandas.

Contudo, a Secretaria Municipal de Educação tem unido esforços para que, através dos professores, coordenadores e gestores das unidades que atendem a este público, o ensino aconteça da melhor maneira para todos“, finaliza.

*Créditos das Imagens
**Topo: Thiago Gadelha

***Centrais: (Fotos) Arquivo Pessoal (Imagem) reprodução Internet

Deixe Seu Comentário (digite abaixo)

%d blogueiros gostam disto: